Entenda o impacto negativo da venda de anticoncepcionais sem prescrição médica

Você sabia que os contraceptivos orais são os maiores causadores de AVC cerebral em mulheres? O empresário Manoel Conde Neto, proprietário da Farma Conde, considera que a venda sem receita desse tipo de medicamento aumenta os casos de automedicação e por ser um medicamento de uso contínuo, seus riscos passam a ser maiores. Com base nessas informações, se possui interesse no assunto e deseja entender o porque que deveriam ser vendidos sob receita médica, siga a leitura deste artigo até o final.

Caso você não saiba, cerca de 200 milhões de mulheres fazem uso de anticoncepcionais mundialmente, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Sendo assim, é importante entendermos que seu uso está atrelado a diversos efeitos colaterais, além de que estudos mostram uma possível relação deste consumo com a causa do câncer de mama. Com certeza você já deve ter visto o tamanho de uma bula de anticoncepcional, certo? Entende agora o porque é um remédio que deve ser bem administrado nas farmácias?

Uma das substâncias atrelados ao câncer, nesses medicamentos, é as altas doses de estrógeno, um hormônio feminino que acaba multiplicando de forma desordenada as células do corpo. Entretanto, na concepção do empresário Manoel Conde Neto, na atualidade estão sendo comercializados anticoncepcionais com uma quantia relativamente menor desses hormônios, de modo a evitar a possibilidade dessas complicações.

Sabemos que diversos medicamentos contraceptivos tiveram sua comercialização proibida, e dentre eles está a pílula Diane 35, na França. Outros problemas atrelados à venda indiscriminada de hormônios femininos é o alto risco de trombose e embolia em mulheres — por isso da necessidade de prescrição médica, pois dessa forma, as mulheres seriam obrigadas a realizarem consultas e avaliarem o medicamento ideal para as suas condições.

Na perspectiva do empresário Manoel Conde Neto, muitos especialistas orientam sobre os riscos atrelados ao uso de anticoncepcionais sem prescrição médica. Logo, é importante termos em mente que mesmo sendo um medicamento regulamentado e seguro para consumo, como um dos melhores métodos contra gravidez indesejada, é necessário realizar uma avaliação prévia do quadro de cada paciente — prezando pelo seu bem-estar e evitando reações e complicações adversas.

Artigo anteriorRapaz ofende cantora que não sabia música dos Mamonas e esfaqueia dono de bar em MT
Próximo artigoDefinição do valor: critérios considerados na avaliação do imóvel

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui